A videoinstalação ‘Zona Neutra’ é composta por três vídeos que se comportam no campo entre o registro performático e a videoarte. Eles são resultado de uma performance baseada na ação física de uma extenuante caminhada nos arredores do campo de concentração de Sachsenhausen, em Oranienburg, Alemanha. A caminhada é compreendida como uma prática de prolongada reflexão meditativa acerca dos paralelos entre a crescente retórica extremamente competente de movimentos congregados sobre a égide de uma extrema-direita, que vem se alimentando do contexto polarizado de pensamento e do ambiente pernicioso do ciberespaço, ganhando cada vez mais adesão política em vários países, como o Brasil.

Não se trata pois de uma flagrante comparação do panorama atual com a barbárie proveniente da Segunda Guerra Mundial, mas ao contrário. Trata-se de uma ênfase na infiltração sorrateira do discurso totalitário e sua condução à prática. Nos vídeos, nenhuma imagem de Sachsenhausen, apenas suas deslumbrantes paisagens adjacentes, o silêncio da floresta e o registros do percurso. Ao final do vídeo I, um trecho gravado do áudio-guia do Museu de Sachsenhausen situa o espectador territorialmente.

Sachsenhausen foi escolhido por ser um contundente símbolo dos riscos de uma histriônica polarização política como se percebe em escala global atualmente, atestando historicamente os perigos do totalitarismo, que não se distingue entre polos políticos. O próprio campo, por exemplo, fora tanto um campo de concentração Nazista – de 1936 a 1945 – como o maior campo especial do leste da Alemanha, sobre a égide do serviço secreto soviético NKWD , entre 1945 e 1950.

One of the results of my experiences in Germany is ‘Zona Neutra’, a 3-channel video installation. The videos are based on a performance and on the physical action of a long walk on the outskirts of the Sachsenhausen concentration camp, in Oranienburg. The walk was taken as a practice of a prolonged reflection on the parallels between the growth of alt-right movements, which have been feeding on the polarized context of thought and the pernicious environment of cyberspace, gaining each more political adherence in several countries, such as Brazil.

I take the forests around the Lager as an image or meta-reflection to the absorption of the totalitarian discourse by resentment, especially in political contexts of intense reductionist polarization. Thus, I investigate the importance of landscape in the construction of Nazi propaganda and its link to a natural right to land, in a distortion of German romanticism. Furthermore, Sachsenhausen was chosen for being a striking symbol of the risks of a histrionic political polarization as is currently perceived on a global scale, historically attesting to the dangers of totalitarianism. The camp itself, for example, had been both a Nazi concentration camp – from 1936 to 1945 – and the largest special camp in eastern Germany, under the aegis of the Soviet secret service NKWD, between 1945 and 1950.